Perdi meu amor para a faculdade.

Conhecer "gente nova" e "curtir a vida" são os termos mais temidos de um namoro agora.

A história é sempre parecida. Vocês eram jovens e apaixonados. Viviam um amor de sinceridade e entrega total como só jovens que ainda não provaram os temperos mais amargos do mundo, conseguem. Tinham aquela absoluta certeza de que o amor de vocês ia durar para sempre, até o dia que seu amor passou no vestibular.


No início foi pura alegria e celebrações. Você estava sinceramente feliz pelo sucesso da pessoa amada. Alguns semestres depois, no entanto, essa pessoa amada foi ficando cada vez mais estranha, distante... às vezes, parecia se importar mais com os amigos da faculdade que com você. Vez ou outra, vocês tinham uma discussão sobre "liberdade" e "individualidade". Seu amor agora cobrava seu direito de se divertir com a galera, longe de você.

Essa é uma história que nunca acaba bem.

Afinal o que acontece nas universidades que faz tantas pessoas sentirem essa urgência de abandonar o envolvimento sentimental pra "cair na gandaia"? Certamente uma combinação de fatores que acabam se concentrando no mesmo lugar. Vamos aqui jogar alguns palpites...

Caldeirão de hormônios

Essa é a mais lógica e direta. Universitários geralmente estão naquela idade em que os hormônios à flor da pele, em níveis que nunca mais serão vistos na história de suas vidas. A sexualidade, recém descoberta, é a coisa mais valiosa de suas vidas e a maior parte do seu dia-a-dia gira em torno disso. Agora coloque uma penca de gente nesta idade concentrada no mesmo lugar, e você tem a fórmula explosiva ou, como diria nosso apresentador favorito, "um clima de muita azaração".


A época da inconsequência

A fase universitária é uma etapa transitória na vida, e talvez a mais "livre" de todas. É a idade em que você já não tem mais a dependência e submissão uma criança, e nem as responsabilidades e deveres de um adulto. Nesta fase transitória, a pessoa está numa espécie de limbo de inconsequência, onde nada é proibido e seu maior dilema é se vaimandar bem na prova semana que vem. Nessa idade, um dos maiores compromissos que pode existir é um namoro/relacionamento, e muitos podem encarar isso como a maior, ou quem sabe a única, afronta à sua liberdade. 

Pressões sociais

Por fim, muitos podem não se afetar com os dois fatores anteriores, mas acabar cedendo às pressões sociais. Muitos colegas de faculdade, insatisfeitos em apenas levar uma vida de pegação desenfreada entre si, vão tentar arduamente convencer você a participar dela, e vão ridicularizar e/ou segregar quem não o faça. Em casa, muitas vezes, a situação não melhora - pais ou outros parentes adultos sempre vão tentar dizer que você está "desperdiçando sua juventude" por estar "se prendendo" "tão cedo". De certa forma, a sociedade diz que você deve cair na gandaia nesta idade e que relacionamentos são prisões para velhos rabugentos e caretas. 


O que fazer?

Se você está num relacionamento com alguém que, depois de entrar pra faculdade, começou a clamar por mais liberdade e espaço, sinto dizer, mas não há muito o que fazer. Qualquer tentativa sua de discutir o assunto vai ser encarada apenas como mais um atentado contra a sua liberdade e tentativa de controle. 

O melhor que você pode fazer é tentar participar de sua vida social - se é que seu amor vai aceitar isso - mas é melhor ir se conformando que aquela pessoa que você conhecia antes já não é mais a mesma, e nunca mais vai voltar a ser.
imagens-getty