Eu e um certo professor

 Minha história teve início em 2011, começaram as aulas e de repente me apaixonei por este professor - nada mais comum -, porém, não somos mais adolescentes, ele têm 40 anos e eu 36.

Sou bem vivida já fui casada, morei no exterior por 15 anos, voltei ao Brasil e decidi retomar minha vida universitária.


Inicialmente, ele me olhava de forma diferente, tentava se aproximar, até que no último dia de aula, ele me esperou e fomos juntos ao metrô. Fiquei emocionada, pois o Prof. me disse coisas lindas, que eu iria encontrar o cara da minha vida, que me compreendesse, motivasse e que eu deveria olhar mais a minha volta.

Iniciou o novo semestre, ele já não dava mais aulas para minha turma, nos víamos esporadicamente nos corredores, sempre com troca de olhares intensos e certo nervosismo.

 No final do ano, mandei um e-mail de boas festas,e ele, me passou o msn, e a partir daí começamos a conversar e nos conhecermos mais.

Certo dia, ele me chamou para ir ao cinema. Assistimos um filme romântico, senti que ele estava um pouco tenso, fomos tomar um suco e o beijo só aconteceu no fim da noite. Ele estava com as mãos trêmulas, disse que era tímido e eu disse que também era.

Ele disse: Quem sabe eu não seja o homem da sua vida? Você é a mulher que todo homem quer, linda, inteligente. Depois me perguntou o que agente está fazendo? - Eu disse "não sei".
 "E se eu te pedisse em namoro e depois em casamento?" Eu disse "não sei cozinhar".

Passaram-se os dias e ele sumia, aparecia, sumia e aparecia de novo, me deixava angustiada, pois era apaixonada por ele.

 Num domingo, ele estava super nervoso, disse que não estava muito bem, fomos na farmácia, ele comprou remédio para o estômago e depois fomos namorar no drive-in. bem adolescente mesmo, não havíamos tido relação até então, porque ele dizia que não era o momento ainda, o que achei estranho, já que homens geralmente não dizem isso, mas neste dia rolou.
Ele estava super nervoso, parecia um menino não um homem - e eu descobri que e ele é todo complexado por ser "tamanho P". A relação em si não foi legal, mas estar com ele superou tudo, pois eu era muito apaixonada!

Os dias passaram, ele sumiu, apareceu novamente no dia do meu aniversário com um xérox de exame nas mãos dizendo que estava com câncer maligno no estômago. À princípio não sabia se era verdade ou não, o consolei mesmo assim, trocamos alguns beijos e ele disse "Sinceramente, você acha que eu só quero ficar com você?" Eu disse que não sabia, ele respondeu, "vamos ver no que vai dar".

Bom, ele esperou passar meu aniversário para numa noite dizer que o problema não era comigo, era com ele e sumiu.

Às vezes, acontecia de nos encontrarmos na faculdade, ele me evitava. Fiquei triste e enviei um e-mail dizendo que não precisava disso, que não somos crianças, ele disse que eu fui a melhor coisa que aconteceu este anos na vida dele, e que por conta da doença não está num bom momento.

Agora só nos cumprimentamos, ele parou de me evitar, outro dia até parou para conversar assuntos banais do dia a dia da faculdade na minha roda de amigos.
 Eu não sei se ele fugiu de mim porque dizia que eu era linda, inteligente, objetiva, etc, e por conta do seu tamanho P, ou se ele está realmente doente. Sei que tenho que esquecê-lo, estou lutando, e hoje estou um pouco melhor, mais conformada. Abraços a todos. Obrigada!


Não acredito que alguém seja capaz de mentir sobre estar com uma doença grave só com desculpas pra não continuar uma relação por vergonha ou incompatibilidade.
É claro que ele está sofrendo muito, praticamente lutando pela própria vida em primeiro lugar, e prefere não ir tão fundo nisso tudo pra não te magoar.
Não há nada a se fazer agora, a não ser entender.